ROCK 2

 

Ao início dos anos 80 surgem bandas como "Os Sex Pistols" surgem da Inglaterra para o mundo. Músicas basicamente de duração curta (para contrastar com o Progressivo) e uma revolta contra tudo e contra todos. Jovens desajustados, vestidos de preto, com brincos e alfinetes espetados pelo corpo, carecas ou com tons berrantes nos cabelos. A cultura punk rompe a década fazendo moda. O rock se revitaliza.

Police, U2, Smiths, The Cure. Os anos 80 absorvem o punk do movimento punk e o rock (a exemplo do que acontecia com várias tendências musicais) expande suas influências, transformando-se numa imensa qualidade de sonoridades, com resultados dos mais variados.

Desde a depressão gótica" do Cure até o ritmo latino do Police. Aconteceu de tudo nos 80s e todo mundo mostrou um pouco de "inovação". Como Iron Maiden que virou lenda, The Cult camuflou sua música e Metaílica renovou o metal. Siouxie & the Banshees (ainda na ativa). The Bolshoi, e tanta coisa diferente, que acaba sendo impossível falar de todos.

Nessa época o Brasil desperta para o rock e a herança musical deixada pelos Mutantes & cia surgem através de uma geração talentosa. Destacando-se bandas como Barão Vermelho, Paralamas, Blitz, Titãs, Ultraje a Rigor, Legião Urbana, RPM, Lobão, Camisa de Vênus, Ira!, Plebe Rude e muitos outros grupos buscando espaço musical e um rock com identidade nacional. Todo esse barulho é impulsionado, no inicio, pela rádio Fluminense FM e pelo Circo Voador.

Em 1985, Acontece o Rock in Rio e o Brasil entra definitivamente para o mapa do rock mundial. Estava consolidada no país uma cultura pop/rock.

Nos anos 90. A MTV chega ao pais e com ela um enorme número de novas bandas e novas tendências. Do Funk Metal dos Red Hot Chili Peppers ao Hardrock do Guns N Roses, a juventude brasileira passou a acompanhar mais de perto as rápidas mudanças do rock.

mundial. O novo contato com o ídolo através também da imagem - e da linguagem video-clipada -foi uma grande novidade para o mercado brasileiro, que reascendeu e foi capaz de produzir o Rock in Rio II. Mas tudo no mundo do rock andava meio devagar, até que...

Caras novas surgem como: Nirvana, Pearl Jam, Soundgarden. O rock mais uma vez explode em agressividade. Através da fortíssima cena de Seattle, o mundo vê surgir um novo movimento roqueiro - o mais forte desde o punk do fim dos anos 70. O novo movimento fica conhecido como Grunge e é polêmico - adorado e odiado - como tudo o que é bom. A velha chama subversiva, própria do rock, é reacesa. No rosto do roqueiro surge um certo sorriso de alivio.o fim do marasmo e da "mesmice" em que se encontravam os três acordes. Para quem pensou que o sonho havia acabado, o rock respondeu com toda a sua atitude.

Smashinq Pumpkins, Green Day, Oasis. É mais uma grande safra de roqueiros. As bandas "pós-Seattle" produzem grandes trabalhos e confirmam essa mudança. O rock, na plenitude da vida, mostra que está em forma e pronto para a eternidade. Pronto para produzir outros Pink Floyds, outros Rushes, outros Whos. Que venham os anos, os séculos, para serem consumidos pelas cordas distorcidas das guitarras. O rock (o bom e velho Rock n RolI) veio para ficar. E ele sabe disso enquanto é festejado por garotos que brindam nas garagens das tardes de domingo com latas de cerveja, levando um sonzinho e comemorando seus sucessos.