BB King

O guitarrista de blues-rock que entraria para a história como B. B. King nasceu Riley B. King, em Itta Bena, vilarejo localizado às margens do delta do rio Mississipi. Nascido no berço do Blues não era de se estranhar que o jovem King se interessasse por música, carreira que era muito mais proveitosa à época do que colher algodão, única alternativa restante. Desde a infância se interessou por blues, country, gospel e jazz.

O responsável por introduzir King no mundo artístico foi seu primo Bukka White, guitarrista de blues profissional em Memphis em meados da década de 40. Em pouco tempo B. B. King se mudaria definitivamente para Memphis, passando a se apresentar nas rádios locais e conquistando uma boa audiência entre os ouvintes negros. Nessas apresentações em rádio (na realidade shows ao vivo transmitidos) ganhou o apelido de Beale Street Blues Boy, mais tarde abreviado para Blues Boy King e finalmente B. B. King.

Em 1949 gravou suas primeiras faixas em vinil. Durante o início dos anos 50 foi produzido por ninguém menos que Sam Philips, até então um produtor medíocre. Em 1951 conseguiu pela primeira vez sucesso nacional nas paradas de r&b com a música Three O'Clock Blues. Aproveitando a boa repercussão montou a banda Beale Streeters (com o vocalista Bobby Bland, o pianista Johnny Ace e o baterista Earl Forest).

Conta a lenda que nesta turnê a sua lendária guitarra Lucille foi batizada. Após arriscar a vida para salvar a guitarra de um incêndio em um bar em Arkansas King chegou à conclusão que algo tão importante para ele não podia ficar sem um nome. Ao contrário do que se pensa, porém, Lucille não é apenas uma guitarra, mas várias, que ele trata como uma só.

Durante as últimas 4 décadas o estilo de King praticamente não mudou. Foi um dos poucos artistas de blues (senão o único) a conseguir manter-se em evidência durante tantos anos sem tornar seu som comercial. Continua tocando para platéias pequenas, com a mesma paixão de sempre, simpático com os fãs e respeitado por qualquer guitarrista de blues ou rock que se preze.

No início da década de 90 gravou dezenas de músicas em parcerias com músicos (principalmente guitarristas) de sua época ou influenciados por ele. Entre outros U2 (com a impagável When Love Comes to Town), Gary Moore, Vernon Reid, John Lee Hooker. O resultado foi o excelente disco Lucille & Friends.

 

Podemos afirmar sem medo, que todos os guitarristas de rock, surgidos depois de 1960, sofreram influência do bluesman negro B. B. King e devem a ele seus sucessos . Nascido no Deita do Mississipi a 16 de setembro de 1925, converte-se em disK-jóquei na rádio de Mênfis e logo parte pelas ruas a cantar e tocar blues. Suas primeiras gravações surgem em 1950, mas só conhece a popularidade entre o público branco em 65; ainda mais com o renascimento do blues em 61/62. Apesar de ser óriginário de um mundo rural, B. 8. King é considerado um cantor de blues urbano. Sua voz particularmente emotiva, cheia de calor, dura e incisiva, dando-nos músicas imortalizadas.