Ney Matogrosso

Último drama
Tom: A
Intro: (A D E D)
A                      D             A
Hoje eu vi o homem voltando para casa
D            A      D                  E  A  D  E  D
Ele trazia o pão, o beijo e o bafo da cachaça
A                      D             A
Hoje o vi o pai voltando para casa
D            A      D                  E  A  D  E  D
Ele trazia a raiva, o sono e o medo na carcaça
A                      D             A
Hoje eu vi o macho voltado para casa
D            A      D                  E  A  D  E  D
Ele trazia o amor, o gozo e um grande cansaço
    A                E/G#
No bolso trocado, Na fé um amanhã dourado
   Em/G                       F#7
Na boca um beijo saturado, na cama um cheiro suado
    F7                       E4/7                E7
Na bala o último drama, No abraço a mulher, a chama
  D             E  A   D   E   D
E a tortura da cana


Napoleão
Tom: G
Intro: (G D7)
(G D7)
Napoleão com seus cem soldados (3x)
Napoleão viveu com seus cem soldados
Napoleão comeu com seus cem soldados
Napoleão dormiu com seus cem soldados
Napoleão brigou com seus cem soldados
Napoleão venceu com seus cem soldados
Napoleão morreu com seus cem soldados
(G D7)
Napoleão com seus cem soldados
Um morreu de frente o outro morreu de lado
Um morreu deitado e o outro morreu sorridente
Um era soldado o outro era presidente
Ah, um era meu avô o outro era filho meu
Um morreu decapitado e outro morreu soluçando
                
Um até morreu gritando, cada qual mais diferente
        G     D7                   G
Ai, ai, ai, quedê, ai ai ai quedê quedê
     D7                        G
Quedê quedê quedê quedê quedê quedê
(G D7)
Mas quem é que sabe o nome desses cem soldados
Napoleão com seus cem soldados
Quem é que sabe o sobrenome desses cem soldados
Napoleão com seus cem soldados
Cem soldados sem velório, cem guerreiros sem história
Napoleão com seus cem soldados
Cem minutos sem memória, sem certo e sem errado
Napoleão com seus cem soldados
E quem sabe me dizer se eram cem soldados
Eu quero ver pra acreditar, eu quero ver, eu quero ver
                                       G7/9+
Napoleão... com seus cem soldados, oh, yeah!


Êta, nóis!
Tom: G
Intro: (63-30-62-30-60-30) D7
                                G  D7
Nóis se cruzemo na espiral da vida
                               G   
Mais de uma vez eu tenho consciência
                    C                D7
De que na vida não tem coincidência, ai, ai
G         D7                   G   D7
Nóis se gostemo e se tornemo amigo
                                 G
Mil música cantemo pros nossos ouvidos
               C               
Os lás e os bemóis acordes dissonando
       D7                 G
Em perfeita harmonia, ai, ai 
 C                             A7                    D7
Mas um dia chegou e nóis desprevinidos (e nóis desprevinido)
                             G                C
Caímos no chão como dois inimigo (como dois inimigo)
C                                            A7                   D7
Nos batendo, estropiando, destruindo o construído (destruindo o construído)
                               B
No fundo do tacho um gosto de fel
                  C                       G
Mas um dia as abelhas se voltam todinhas
                    D7
E no milagre da lida
                                G
No milagre da lida o amor vira mel 
Êta nóis!


Espinha de bacalhau
Tom: C - F
Intro: C6/9
          C6/9      C              C/E
Eu também sei desconsolar num tom difícil de tocar
       Em5-/7         A7           Dm7
É meu talento além do som daquela onda eu fui dançar
                                 F7+
Dancei tão bem adocicando o teu batom como um bombom
      G7                             C6/9
Te lambuzei com a minha frase mais redonda
                   B7            C6/9
Atriz atroz da insensatez, fui traduzindo em português
            A7                       F7+
O amor que fez tua falsidade mais profunda
                       Ab7+                      C6/9
E corro atrás da vida fácil em que você quer me levar
        C#      Dm7                G7         C6/9
Quero morar num bangalô, chorar na mesa nunca mais
              C         C/E
Saxofone ou Satanás me intoxica com teu gás
      Em5-/7    A7  
O lado bom do coração que nos separa dos metais
                                 F7+
Se a vida é cara, gigolô, só meu amor conhece a cor
       G7                     C6/9
Das harmonias da Orquestra Tabajara
                     B7              C6/9
Sei que é difícil respirar quando a paixão quer sufocar
      A7                             F7+
Meu coração, por isso eu canto na garganta, ah meu amor
         Ab7+                   C6/9
O nosso veneno é no caroço da canção
           C#         Dm7              G7         C6/9
É como um vício e tem sabor que a fala presa não desfaz
Solo: Am7 Dm7 E7/9- Bb6/11+ A7 Dm7 Am7 B7 E7/9- Am7 G7
    F6
Não sei quem pintou tua cor, tua tez, teu sabor
                        C7                           F7+
Com a mocidade onde eu pecava - minha emoção já não dava essa voz
                                       Cm7            D7/9-
Talvez sonhando dancei nu ao lado do abajourt, e devo ter te beijado com paixão
               G#           F7+              D7/9
Foi quando um popular me despertou , me deu notícias
          Gm7       C7             F7+
Que esse amor de gafieira não tem mais
   F7+             E7                F7+
Apresentei o meu sorriso e alguém de lá me perguntou
               D#7            D7/9        Gm7
Onde é que eu estou que não agarro essa morena pra dançar
                              Bb7+
E eu lhe falei não é preciso padecer na solidão
      C7                           F7+
Meu coração, a solidão não vale a pena
                     E7              F7+
Sei que é difícil respirar quando a paixão quer sufocar
     D7/9                            Bb7+
Meu coração, por isso eu canso na garganta, ah meu amor
          C#7+                  F7+
O nosso veneno é no caroço da canção
            F#        Gm7               C7        F7+  F7 Bb Bbm F7+
É como um vício e tem sabor que a fala presa não desfaz


Fala
Tom: G
Intro: D
            G               G#
Eu não sei dizer nada por dizer
            D  A/C# Bm
Então eu escuto
 D/C      G                 G#
Se você disser tudo o que quiser
           D    A/C# D/C G Gm
Então eu escuto
 D  D/C G Bb
Fala
 D  D A B/F#
Fala 
             G                  G#
Se eu não entender, não vou responder
            D  A/C# Bm
Então eu escuto
D/C         G               G#
Eu só vou falar na hora de falar
           D    A/C# D/G G Gm
Então eu escuto
 D   D/C G Bb
Fala 
 D
Fala


Alegria carnaval
Tom: Am7
Intro: (Em7  Bm7) 6 vezes 
       Bm7  C7+  Bm7  C7+  D7  D# 
       (Em7  Bm7) 8 vezes
                         Am7 
Meu compromisso com o sofrer 
     C/D   D7/9     G7+   F#m7  B7 
Vai se a... ca...  bar 
Em7                        Am7 
Vi que isso não tem nada a ver 
     C/D    D7/9     G7+   F#m7  B7 
Hoje quero recome... çar 
Em7                      Am7 
Transar um novo amor prá mim 
B7      E5+/7   E7/G# 
Viver enfim 
       Am7       D7 
Não posso me ligar 
         G7+    C7+ 
Se acaso for chorar 
         A/B   B7   D/E    E7/9- 
Quem tanto mal me quis 
               Am7 
Não quero nem saber 
D7               G7+ 
Tem mais é que sofrer 
C7+     B7/9-/11+   B7 (Em7  Bm7) 4 vezes Em7  (Em7  Bm7) 
Enquanto sou      feliz 
Em7            Am7 
Quero viver a vida 
        C/D  D7/9         G7+ 
Ir prá avenida com a multidão 
Em7                        Am7 
Braço e abraço   Mão na mão 
          D7  D#     Em7 
Todo mundo é meu ir... mão 
                    Am7 
Noite ou dia é tudo igual 
        D7      D#    Em7 
Alegria car... na... val


O vira
Tom: A                                               
A              D
O gato preto cruzou a estrada
   A                    E
Passou por debaixo da escada
          A7                       D
E lá no fundo azul na noite da floresta
           E
A lua iluminou
                      A
A dança, a roda e a festa
Vira, vira, vira
                   E
Vira, vira, vira homem, vira, vira
                A
Vira, vira lobisomem, vira, vira
A                  D
Bailam corujas e pirilampos 
   A                  E
Entre os sacis e as fadas
          A7                       D
E lá no fundo azul na noite da floresta
           E
A lua iluminou
                      A
A dança, a roda e a festa
                   E
Vira, vira, vira homem, vira, vira
                A
Vira, vira lobisomem, vira, vira


Rosa de Hiroshima
Tom: G
Intro: (D D7 G Gm) A
              G
Pensem nas crianças
            D     G A
Mudas telepáticas
              G
Pensem nas meninas
         D
Cegas inexatas
              C
Pensem nas mulheres
         G/B    Gm/Bb A
Rotas alteradas
              G
Pensem nas feridas
              D    G A
Como rosas cálidas
                    G
Mas, oh, não se esqueçam
             D  G A
Da rosa da rosa
               G
Da rosa de Hiroshima
            D
A rosa hereditária
            C
A rosa radioativa
             G/B     Gm/Bb A
Estúpida e inválida
             G
A rosa com cirrose
               D    G A
A anti-rosa atômica
               G
Sem cor sem perfume
               D
Sem rosa sem nada


Segredo
Tom: D7+
Intro: A5+/7
     D7+               C#7
Teu mal é comentar o passado
  D              B7           Em    B7       Em
Ninguém precisa saber o que houve entre nós dois
G                         Gm     D                    B7
O peixe é pro fundo das redes, segredo é pra quatro paredes
     Em                 A7
Não deixe que males pequeninos
           D                    B7
Venham transformar os nossos destinos
G                        Em
O peixe é pro fundo das redes
  D                     B7
Segredo é pra quatro paredes
   Em                 A7
Primeiro é preciso julgar
              D
Pra depois condenar
 A                               D
Quando o infortúnio nos bate à porta
   D7                   G
O amor nos foge pela janela
       G#         D         B7
A felicidade para nós está morta
 E7                      A7
E não se pode viver sem ela
G            G#          D        B7
Para o nosso mal não há remédio coração
              Em     A7/13 A5+/7 D7+ G7
Ninguém tem culpa de nossa desunião


Rondo do capitão 
Tom: C
Intro: C G 
C        G 
Bão Balalão 
C           G 
Senhor Capitão 
   F        G 
Tirai este peso 
C           G C G 
Do meu coração 
C             G 
Não é de tristeza, 
C             G 
Não é de aflição: 
   F         G 
É só de esperança, 
C           G   C  G 
Senhor capitão! 
C           G 
A leve esperança, 
C             G 
A áerea esperança... 
   F         G   C  G 
Aerea, pois não! 
   C           G 
- Peso mais pesado 
C           G 
Não existe não 
    F         G 
Ah,livrai-me dele, 
C           G   C 
Senhor capitão! 


Maria escandalosa
Tom: G
Intro: G D7
  (D7/4  D7)                                   G
Maria Escandalosa desde criança sempre deu alteração
    (F G)                                              C
Na escola não dava bola só aprendia o que não era da lição
   D/C            Bm   Em      Am         D7       Bm
Depois a Maria cresceu,       juízo que é bom encolheu
      E7         (Am D7)                                 G
E a Maria Escandalosa, é muito prosa, é mentirosa, mas é gostosa
(D7/4  D7)                                   G
Maria Escandalosa desde criança sempre deu alteração
    (F G)                                              C
Na escola não dava bola só aprendia o que não era da lição
   D/C            Bm   Em      Am         D7       Bm
Depois a Maria cresceu,       juízo que é bom encolheu
      E7         (Am D7)                                 G
E a Maria Escandalosa, é muito prosa, é mentirosa, mas é gostosa
Am           D/C  Bm  Bb7           Am              Bbo   G
Hoje ela não sabe nada            de história e de geografia
Am           D/C    Bm   Em   A7       D7
Mas seu corpo de sereia dá aula de anatomia
  G            (D7/4 D7)                                    G
E a Maria Escandalosa, é muito prosa, é mentirosa, mas é gostosa
Intro
(D7/4  D7)                                   G
Maria Escandalosa desde criança sempre deu alteração
    (F G)                                              C
Na escola não dava bola só aprendia o que não era da lição
   D/C            Bm   Em      Am         D7       Bm
Depois a Maria cresceu,       juízo que é bom encolheu
      E7         (Am D7)                                 G
E a Maria Escandalosa, é muito prosa, é mentirosa, mas é gostosa
 D/C            Bm   Em      Am         D7       Bm
Depois a Maria cresceu,       juízo que é bom encolheu
      E7         (Am D7)                                 G
E a Maria Escandalosa, é muito prosa, é mentirosa, mas é gostosa
Am           D/C  Bm  Bb7           Am              Bbo   G
Hoje ela não sabe nada            de história e de geografia
Am           D/C    Bm   Em   A7       D7
Mas seu corpo de sereia dá aula de anatomia
  G            (D7/4 D7)                                    G
E a Maria Escandalosa, é muito prosa, é mentirosa, mas é gostosa
 D7/4 D7)                                G
Maria é muito prosa, é mentirosa, mas é gostosa
 G            (D7/4 D7)                                    G
E a Maria Escandalosa, é muito prosa, é mentirosa, mas é gostosa


Amor
Tom: C       
Intro: C Bb 
C           Bb 
Leve como leve pluma 
                  C 
Muito leve leve pousa 
       Bb          C   Bb  C  Bb 
Muito leve leve pousa 
C           Bb 
Na simples e suave coisa 
 C               Bb 
Suave coisa nenhuma 
                  C   Bb  C  Bb 
Suave coisa nenhuma 
C         Bb 
Sombra silêncio ou espuma 
C                   Bb 
Nuvem azul que arrefece 
C                   F 
Simples e suave coisa 
C 
Suave coisa nenhuma 
      Bb 
Que em mim amadurece 


Viajante
Tom: Am
Intro:  Am7 Am7+ Am7 D7/9 F7+ E7 Dm7 E7/9-
            Am             Am7+
Eu me sinto tolo como um viajante
          Am7   D7/9       F7+ E7          Am7
Pela tua casa, pássaro sem asa, rei da covardia
E7           Am7          Am7+                  Am7
E se guardo tanto essas emoções nessa caldeira fria
              F7+  E7           A  F#m
É que arde o medo onde o amor ardia
             Bm                 C
Mansidão no peito trazendo o respeito
               C#m              F#7
Que eu queria tanto derrubar de vez
             Bm      E7           Am  F7+ E7
Pra ser teu talvez, pra ser teu talvez
        Am                 Am7+
Mas o viajante é talvez covarde
                Am7   D7/9          F7+            F#m
Ou talvez seja tarde pra gritar que arde no maior ardor
           Bm                C
A paixão contida, retraída e nua
             C#m             F#
Correndo na sala ao te ver deitada
           Bm                 E7                 C#m F#7
Ao te ver calada, ao te ver cansada, ao te ver no ar
          Bm              C
Talvez esperando desse viajante
              C#m           F#7
Algo que ele espera também receber
               Bm                  E7              A
E quebrar as cercas que insistimos tanto em nos defender
             Am             Am7+
Eu me sinto tolo como um viajante
          Am7     D7/9     F7+ E7           Am
Pela tua casa, pássaro sem asa, rei da covardia
E7           Am          Am7+                   Am7
E se guardo tanto essas emoções nessa caldeira fria
             F7+ E7             A   F#m
É que arde o medo onde o amor ardia
             Bm                C
Mansidão no peito trazendo o respeito
              C#m               F#7
Que eu queria tanto derrubar de vez
              Bm      E7          C#m
Pra ser teu talvez, pra ser teu talvez
              Bm      E7           Am
Pra ser teu talvez, pra ser teu talvez...


Sangue latino
Tom: D
Intro: (D G)
( D        G )
Jurei mentiras e sigo sozinho, assumo os pecados
A7             G                 ( D         G )
Os ventos do norte não movem moinhos
E o que me resta é só um gemido
Minha vida, meus mortos, meus caminhos tortos,
Meu sangue latino, minha alma cativa
A7         G            ( D      G )
Rompi tratados, traí os ritos
Quebrei a lança, lancei no espaço
Um grito, um desabafo
A7             G                   ( D      G )
E o que me importa é não estar vencido
Minha vida, meus mortos, meus caminhos tortos,
                                  G  D   G   D/F#  Em   D
Meu sangue latino, minha alma cativa


Flores astrais
Tom: C
Intro: C  G/B  Bb  F
C                    G/B
Um grito de estrelas vem do infinito
Bb                   F
E um bando de luz repete o grito
C                G/B
Todas as cores e outras mais
Bb         F         C
Procriam flores astrais
G                  F C   F  C   F  C
O verme passeia na lua cheia
G                   C Bb   F  C
O verme passeia na lua  cheia


América do Sul
Tom: D
Intro: D4/7
D                         A7
Deus salve a América do Sul
D                           A7
Desperta, ó claro e amado sol
          D
Deixa correr qualquer rio
                     E
Que alegre esse sertão
                            B
Essa terra morena, esse calor
                              F#
Esse campo, essa força tropical
D                    A7
Desperta América do Sul, 
D                           A7
Deus salve essa América Central
           D                         E
Deixa viver esses campos molhados de suor
                                 B
Esse orgulho latino em cada olhar, 
                             F#  
esse canto e essa aurora tropical


Mal necessário
Tom: Dm
Dm    Dm/C            Dm/B          Bb    Dm
Sou um homem, sou um bicho, sou uma mulher
        Dm/C          Dm/B         Bb   F
Sou as mesas e as cadeiras desse cabaré
                    C     F                    C   A7
Sou o seu amor profundo, sou o seu lugar no mundo
Dm    Dm/C            Dm/B          Bb    Dm
Sou a febre que lhe queima mas você não deixa
         Dm/C          Dm/B         Bb   F
Sou a sua voz que grita mas você não aceita
                    C     F                    C   A7 
O ouvido que lhe escuta quando as vozes se ocultam
   Dm    Dm/C            Dm/B          Bb    Dm
Nos bares, nas camas, nos lares, na lama
 Dm/C          Dm/B         Bb   F 
Sou o novo, sou o errado, sou o que não tem tempo
Dm    Dm/C            Dm/B          Bb    Dm
O que sempre esteve vivo, mas nem sempre atento
Dm/C          Dm/B         Bb   F
O que nunca lhe fez falta, o que lhe atormenta e mata
  C     F                    C             A7
Sou o certo, sou o errado, sou o que divide
Dm    Dm/C            Dm/B          Bb    Dm
O que não tem duas partes, na verdade existe
Dm/C                Dm/B          Bb        F
Oferece a outra face, mas não esquece o que lhe fazem
          C     F                    C   A7
Nos bares, na lama, nos lares, na cama


O patrão nosso de cada dia
Tom: D
Intro: G/B  Gm/Bb  G/A  A7  D  D4
D             C             G               D4    D
Eu quero o amor da flor de cactos, ela não quis
             C            G           D        C
Eu dei-lhe a flor de minha vida, vivo agitado
           D           C               D       C
Eu já não sei se sei de tudo ou quase tudo
              G                    D4    D   ( D  F  G  D  D4  D )
Eu só sei de mim, de nós, de todo mundo
D             C             G               D4    D
Eu vivo preso à sua senha, sou enganado
           C            G           D        C
Eu solto o ar no fim do dia, perdi a vida
               D           C            D       C
Eu já não sei se sei de nada ou quase nada
               G                    D4    D   ( D  F  G  D  D4  D )
Eu só sei de mim, só sei de mim, só sei de mim 
     SOLO
D             C             G               D4    D
O patrão nosso de cada dia, dia após dia
         C            G             D        C
O patrão nosso de cada dia, dia após dia
        D           C            D       C
O patrão nosso de cada dia, dia após dia
       G        D4    D   ( D  F  G  D  D4  D )
O patrão nosso de cada dia 
                         SOLO
FINAL: G/B  Gm/Bb  D


Bandoleiro
Tom: Am
Intro: (Am Em7) (C F) G7
(C F)                      G
Fosse ciganos a levantar poeira
                 F
A misturar nas patas
                                         E
Terras de outras terras, ares de outras matas
F   C                           G
Eu, bandoleiro, no meu cavalo alado
                  F
Na mão direita o fado
                                E
Jogando sementes nos campos da mente
(Am Em7)
E se falasses magia, sonho e fantasia
E se falasses encanto, quebranto e condão
F          E                   D
Não te enganarias, não te enganarias
(Am Em7)               (C F)
Não te enganarias, não!
(C F)                      G
Fosse ciganos a levantar poeira
                 F
A misturar nas patas
                                         E
Terras de outras terras, ares de outras matas
F    C                         G
Eu, bandoleiro, no meu cavalo alado
                  F
Na mão direita o fado
                                 E    (Am Em7)
Jogando sementes nos campos da mente
E se falasses magia, sonho e fantasia
E se falasses encanto, quebranto e condão
  F                E           D
Feitiço, transe, viagem, alucinação
       (Am Em7)
Miragem


Balada do louco
Tom: G
Eb    C      G/B   G   Eb     C    G/B   G
Dizem que sou louco    por pensar assim
Eb    C      G/B   G   Eb     C    G/B   G
Se eu sou muito louco por eu ser feliz
Em   Em/D    C#m7/5-   C
Mas louco é quem me diz
      G    C/D       G
E não é feliz, não é feliz
Eb    C      G/B   G   Eb     C    G/B   G
Se eles são bonitos, sou Alain Delon
Eb    C      G/B   G   Eb     C    G/B   G
Se eles são famosos, sou Napoleão
Em   Em/D    C#m7/5-   C
Mas louco é quem me diz
 G      C/D              G
E não é feliz, não é feliz
G7          C
Eu juro que é melhor
G7             C
Não ser o normal
G7               A7                D7   C   G/B   Am    G
Se eu posso pensar que Deus sou eu
Eb    C      G/B   G   Eb     C    G/B   G
Se eles têm três carros, eu posso voar
Eb    C      G/B   G   Eb     C    G/B   G
Se eles rezam muito, eu já estou no ar
Em   Em/D    C#m7/5-   C
Mas louco é quem me diz
G      C/D              G
E não é feliz, não é feliz
REFRÃO
Eb    C      G/B   G   Eb     C    G/B   G
Sim sou muito louco, não vou me curar
Eb    C      G/B   G   Eb     C    G/B   G
Já não sou o único que encontrou a paz
Em   Em/D    C#m7/5-   C
Mas louco é quem me diz